terça-feira, janeiro 31, 2017

José Tagarro


BARATA FEYO
fotog. Mário Novais

Lisboa, 1960
Artis
1.ª edição [única]
24,4 cm x 20,2 cm
12 págs. + 17 folhas em extra-texto (duas das quais com cromo colado)
subtítulo: 1902-1931
profusamente ilustrado a negro e a cor
encasado sem costura nem agrafo
exemplar como novo
40,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


A Pintura Portuguesa Neo-Realista


ERNESTO DE SOUSA
fotog. Mário Novais

Lisboa, 1965
Artis
1.ª edição [única]
24,4 cm x 20,3 cm
20 págs. + 17 folhas em extra-texto (duas das quais com cromo colado)
profusamente ilustrado a negro e a cor
encasado sem costura nem agrafo
exemplar como novo
50,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Francisco Smith


MANUEL MENDES
fotog. Mário Novais, Lucien Petit-Jean e Castelo-Branco

Lisboa, 1962
Artis
1.ª edição [única]
24,5 cm x 20 cm
12 págs. + 17 folhas em extra-texto (duas das quais com cromo colado)
subtítulo: 1881-1961
profusamente ilustrado a negro e a cor
encasado sem costura nem agrafo
exemplar como novo
40,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Pintura Portuguesa Abstracta em 1960


JOSÉ-AUGUSTO FRANÇA
fotog. Mário Novais, A. Santos d’Almeida e Jacques Kobel

Lisboa, 1960
Artis
1.ª edição
24,2 cm x 20,5 cm
12 págs. + 19 folhas em extra-texto (quatro das quais com cromo colado)
profusamente ilustrado a negro e a cor
encasado sem costura nem agrafo
exemplar estimado, sem a folha de cristal de protecção da capa; miolo irrepreensível
30,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Júlio Pomar


ERNESTO DE SOUSA
fotog. Castelo-Branco

Lisboa, 1960
Artis
1.ª edição [única]
24,2 cm x 20,5 cm
12 págs. + 17 folhas em extra-texto (duas das quais com cromo colado)
profusamente ilustrado a negro e a cor
encasado sem costura nem agrafo
exemplar como novo
50,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Nikias Skapinakis


FERNANDO PERNES

Lisboa, 1972
Artis
1.ª edição [única]
24,3 cm x 20,3 cm
12 págs. + 17 folhas em extra-texto (tendo duas delas cromo colado)
profusamente ilustrado a negro e a cor
texto linotipado e impresso a cinza, policromias zincogravadas, monocromias impressas em rotogravura, sobre papel superior semicartonado
encasado sem costura nem agrafo
exemplar como novo
40,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Inactualidade da Arte Moderna


NIKIAS SKAPINAKIS

Lisboa, s.d. [1959, seg. BNP]
Seara Nova
1.ª edição
19,7 cm x 12,3 cm
40 págs.
exemplar estimado; miolo limpo
25,00 eur (IVA e portes incluídos)

Conferência proferida por Skapinakis em Outubro de 1958 na Sociedade Nacional de Belas Artes.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


segunda-feira, janeiro 30, 2017

Epitome de Grammatica Portugueza [...]



C. D. M. [CARLOS DUARTE DE MAGALHÃES]

Porto, 1851
Na Typographia de Sebastião José Pereira
[1.ª edição]
15,5 cm x 10,7 cm
166 págs.
subtítulo: [...] composto de elementos extrahidos de varios grammaticos e philologos de melhor nota; e coordenados por [...]
encadernação inteira em pele marmoreada com elegante gravação a ouro na lombada
pouco aparado
exemplar em bom estado de conservação; miolo irrepreensível, papel sonante
PEÇA DE COLECÇÃO
55,00 eur (IVA e portes incluídos)

Segundo Inocêncio Francisco da Silva (Diccionario Bibliographico Portuguez, tomo IX, Imprensa Nacional, Lisboa, 1870):
«[...] É epitome de boa coordenação, em que o auctor aproveitou, alem das de Blair e Condillac, as doutrinas de Gomes de Moura, Soares Barbosa, Moraes, Constancio e Leite Ribeiro. – Foi ha annos adoptado como compendio em alguns Lyceos, e nomeadamente no de Lisboa; e creio que a edição está inteiramente exhausta.»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


A Filosofia de Lao-Tseu


ALP. [ALPHUN] SAÏR (criptónimo)

Lisboa, 1921
Livraria Clássica Editora de A. M. Teixeira
1.ª edição
19 cm x 12,2 cm
136 págs.
exemplar estimado, restauro na lombada; miolo limpo
assinaturas de posse no ante-rosto
30,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Leonor Teles


ANTERO DE FIGUEIREDO

Paris-Lisboa | Porto | Rio de Janeiro, 1921
Livrarias Aillaud e Bertrand | Livraria Chardron | Livraria Francisco Alves
4.ª edição
17,8 cm x 12,1 cm
XXXVIII págs. + 398 págs.
subtítulo: “Flor de Altura”
encadernação editorial em tela encerada, gravação polícroma em ambas as pastas e na lombada
exemplar muito estimado; miolo limpo
discreta assinatura de posse no frontispício
27,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


D. Sebastião


ANTERO DE FIGUEIREDO

Paris-Lisboa, 1924
Livrarias Aillaud e Bertrand
2.ª edição
18,8 cm x 12,4 cm
XXVIII págs. + 464 págs.
subtítulo: Rei de Portugal (1554-1578)
encadernação editorial em tela com cromo colado na pasta anterior, gravação e ouro e relevo seco em ambas as pastas e na lombada
conserva a capa anterior de brochura
exemplar estimado; miolo limpo
27,00 eur (IVA e portes incluídos)

Tal como Antero de Figueiredo (1866-1953) diz no seu prefácio, trata-se de «um trecho de história pôsto em arte».

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Os Silêncios do Coronel Bramble


ANDRÉ MAUROIS
trad. António Ferreira
capa de Lopes Alves

Lisboa,
Editorial Aster, Lda.
1.ª edição
19,6 cm x 13 cm
160 págs.
exemplar estimado; miolo limpo
17,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


domingo, janeiro 29, 2017

A Arte de Navegar


JAIME DO INSO

Lisboa, 1943
Edições Cosmos
1.ª edição
19,4 cm x 13,5 cm
224 págs.
exemplar envelhecido mas aceitável; miolo limpo
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Importante manual da autoria de Jaime Correia do Inso, capitão-de-fragata e, mais tarde, director do Museu da Marinha, e que se notabilizou como escritor de memórias do Oriente. O seu nome surge também ligado à primeira travessia aérea do Atlântico Sul levada a cabo por Gago Coutinho e Sacadura Cabral, em 1922, por ser encontrar no desempenho de funções de imediato no cruzador Carvalho Araújo quando nele foi transportado para o Brasil o respectivo hidroavião.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Mr. Wu


LOUISE JORDAN MILN
trad. Jaime do Inso

Lisboa, 1936
Edições Europa
1.ª edição
19 cm x 12,5 cm
384 págs.
exemplar em muito bom estado de conservação; miolo limpo
22,00 eur (IVA e portes incluídos)

Louise Jordan Miln (1864-1933), esposa do actor inglês George Crichton Miln, ela própria também actriz, é por vezes, injusta e duvidosamente, dada como pseudónimo deste último. Precursora de um género de ficção centrada no Oriente, que teve como expoente Pearl Buck, estreou-se neste Mr. Wu, já viúva cinquantona, mas senhora de uma escrita enigmática muito aplaudida na época. Mr. Wu chegou, até, a ser levado ao cinema em 1927.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Visões da China


JAIME DO INSO, capitão-tenente
anteprefácio de Wenceslau de Moraes

Lisboa, 1933
Edição do Autor (depositário Livraria J. Rodrigues & C.ª)
2.º milhar
18,8 cm x 12,2 cm
412 págs. + 6 págs.
capa de Julio Alves
composto manualmente
exemplar estimado; miolo limpo
assinatura de posse no frontispício
25,00 eur (IVA e portes incluídos)

Diz-nos o Autor:
«[...] O livro é, por assim dizer, uma continuação, um complemento de outro livro anterior – “O Caminho do Oriente” – e ambos pretendem constituir como que um cenário de quadros reais, onde se procura desenhar o ambiente tão típico e único da nossa vida colonial, como é o de Macau. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Eis a Guiné!


FERNANDO ROGADO QUINTINO

Lisboa, 1946
Sociedade de Geografia de Lisboa
[1.ª edição]
20,7 cm x 14,8 cm
64 págs.
subtítulo: Breve Notícia da Sua Terra e da Sua Gente
ilustrado no corpo do texto
acabamento com dois pontos em arame
exemplar estimado; miolo limpo
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Publicado por ocasião do quinto centenário do descobrimento da Guiné, trata-se de uma pequena resenha histórico-antropológica sobre a colónia «[...] que, sendo a primeira a ser descoberta, foi a última, dentre as do Império Português, a ser pacificada e ocupada – e, portanto, também, a ser conhecida nas suas minúcias e singularidades. [...]» (do Prefácio do autor). É de lembrar que, de certo modo, foi igualmente aí que se tomou consciência da impossibilidade de a força ocupante vencer a guerra colonial.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Poemas


ALDA LARA
nota de Orlando de Albuquerque

Sá da Bandeira, 1966
Imbondeiro
2.ª edição
20,4 cm x 15 cm
200 págs.
subtítulo: Obra Completa de Alda Lara
exemplar estimado, capa empoeirada; miolo limpo
55,00 eur (IVA e portes incluídos)

Médica angolana notável e poeta exímia, Alda Pires Barreto de Lara e Albuquerque (1930-1962) não chegou a viver para ver assim a sua poesia reunida, que Manuel Ferreira (ver Literaturas Africanas de Expressão Portuguesa, vol. 2, Instituto de Cultura Portuguesa, Lisboa, 1977) reconhece como poesia «[...] de motivação europeia, mas a da inserção angolana emerge de uma serena visão humanística.»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Poemas


ALDA LARA
notas de Orlando de Albuquerque

Lobito, 1973
Capricórnio
3.ª edição
20,7 cm x 14,7 cm
200 págs.
subtítulo: Obra Completa de Alda Lara
exemplar estimado; miolo limpo
30,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Um Grande Negócio


ORLANDO DE ALBUQUERQUE

Lobito, 1972
Cadernos Capricórnio – Separata de “O Lobito”
1.ª edição
20,1 cm x 14,8 cm
16 págs.
acabamento com um ponto em arame
exemplar como novo
20,00 eur (IVA e portes incluídos)

Coordenador destes Cadernos Capricórnio (sendo o vertente o primeiro da extensa colecção), escritor e médico, terá colhido ensinamento literário na proximidade e admiração pela sua esposa, a poetisa Alda Lara. No geral, a sua prosa tem «[...] a particularidade de revelar o conhecimento das estruturas mentais dos componentes das sociedades tradicionais, o que não é vulgar na ficção angolana. [...]» (Manuel Ferreira, Literaturas Africanas de Expressão Portuguesa, vol. 2, ICP – Biblioteca Breve, Lisboa, 1977)

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


O Homem Que Tinha a Chuva


ORLANDO DE ALBUQUERQUE

Lisboa, 1968
Agência-Geral do Ultramar
1.ª edição
23,1 cm x 16 cm
140 págs.
exemplar estimado; miolo limpo
discreta rubrica de posse no canto inferior direito do frontispício
25,00 eur (IVA e portes incluídos)

Orlando de Albuquerque (1925-1997), médico, poeta, dramaturgo, ficcionista e ensaísta, embora nascido em Moçambique, virá a notabilizar-se num contexto angolano (Lobito), no círculo literário da poeta Alda Lara, sua esposa.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Introdução à História de África



[ANÓNIMO*]

Beira (Moçambique), 1972
Lions Clube da Beira
1.ª edição
20,5 cm x 14,4 cm
2 págs. + 50 págs.
ilustrado
impressão mimeográfica
exemplar em muito bom estado de conservação; miolo limpo
PEÇA DE COLECÇÃO
50,00 eur (IVA e portes incluídos)

* Do cólofon: «Edição de um grupo de jovens sob o patrocínio do Lions Clube da Beira».

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Cem Maneiras de Cozinhar Peixes


FEBRÓNIA MIMOSO
pref. Amélia Augusta

Porto, s.d. [circa 1925]
Casa Editôra de A. Figueirinhas, L.da
«nova edição»
17,3 cm x 11,5 cm
48 págs.
acabamento com dois pontos em arame
exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo
17,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


segunda-feira, janeiro 23, 2017

Não É Preciso Mentir


ANTÓNIO BOTTO
capa de Fred Kradolfer

Porto, 1939
Editôra Educação Nacional
1.ª edição
19,5 cm x 13 cm
288 págs. + 1 folha em extra-texto
impresso sobre papel superior
exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo, parcialmente por abrir
para além de assinado pelo Autor na pág. de copyright e no cólofon, ostenta dedicatória manuscrita do mesmo à actriz Maria das Neves e ao empresário teatral Lopo Lauer
PEÇA DE COLECÇÃO
150,00 eur (IVA e portes incluídos)

Compilação de breves narrativas de jaez moralista.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Antologia de Poemas Portugueses Modernos


FERNANDO PESSOA
ANTÓNIO BOTTO


Coimbra, 1944
Editorial Nobel
1.ª edição [única]
19,3 cm x 13,2 cm
194 págs.
EXEMPLAR NUMERADO (N.º 2.645) E COM CARIMBO DE ANTÓNIO BOTTO
exemplar em muito bom estado de conservação; miolo limpo
70,00 eur (IVA e portes incluídos)

Alguns dos poetas antologiados:
Camilo Pessanha, Gomes Leal, Mário de Sá Carneiro, Eugénio de Castro, Antero de Quental, Augusto Gil, Guerra Junqueiro, Ângelo de Lima, Alberto Osório de Castro, Júlio Dantas, Cesário Verde, António Sardinha, João de Deus, António Feijó, João Lúcio, António Nobre, João de Barros, António Patrício, Mário Beirão, Miguel Torga, Francisco Bugalho, José de Almada Negreiros, Guilherme Braga, José Régio, Gonçalves Crespo, Afonso Duarte, Luís Montalvor, Teixeira de Pascoais, Carlos Queiroz, Vitorino Nemésio, Alfredo Guisado, Florbela Espanca, etc. Além destes e de alguns mais, é de notar a subtil inclusão também dos vários heterónimos de Fernando Pessoa... No essencial, desconto dado a um ou outro nome hoje caído no natural esquecimento, a modernidade de um tal florilégio permanece incontestável.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

domingo, janeiro 22, 2017

Gramática Umbundu


JOSÉ FRANCISCO VALENTE, padre

[Porto (local de impressão)], 1964
Instituto de Investigação Científica de Angola
1.ª edição
22,2 cm x 14,4 cm
432 págs.
subtítulo: A Língua do Centro de Angola
exemplar muito estimado; miolo irrepreensível, por abrir
135,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Poemas


GEORG TRAKL
escolha, trad. e introd. Paulo Quintela
pref. Ludwig Scheidl
na capa desenho de Manuel Ribeiro de Pavia
grafismo de Armando Alves

Porto, 1981
Editorial O Oiro do Dia
1.ª edição
bilingue alemão-português
20,1 cm x 13,9 cm
184 págs. + 4 folhas em extra-texto
exemplar estimado; miolo limpo
30,00 eur (IVA e portes incluídos)

Georg Trakl (1887-1914), à partida poeta expressionista austríaco, ganhou uma dimensão mais ampla para o fim da vida, senhor «[...] de uma poesia que anuncia o cataclismo universal [...]» (Ludwig Scheidl), que ele próprio testemunhou em directo na frente de guerra, antes de se suicidar.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Hölderlin


PAULO QUINTELA
grafismo de Armando Alves

Porto, 1971
Editorial Inova Limitada
2.ª edição
22,6 cm x 14 cm
264 págs. + 24 págs. em extra-texto
profusamente ilustrado
exemplar muito estimado; miolo limpo
25,00 eur (IVA e portes incluídos)

Um dos mais notáveis ensaios acerca do poeta romântico alemão, por um (ainda hoje) dos seus mais notáveis tradutores. Um poeta lido à luz dos seus próprios poemas.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

quarta-feira, janeiro 18, 2017

Vocabulário Português – Árabe


JOSÉ DE ESAGUY

Lisboa, 1935
Edição da Emprêsa Nacional de Publicidade
1.ª edição
16,5 cm x 10,8 cm
64 págs.
subtítulo: Pronúncia figurada – Pequena guia de conversação, locuções, etc.
corte redondo nos cantos
exemplar estimado, restauros na capa; miolo limpo
assinatura de posse no frontispício
27,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


O Homicídio no Direito Muçulmano


FRANCISCO JOSÉ VELOZO

Braga, 1952
Livraria Cruz & C.ª, Ld.ª
1.ª edição
23,6 cm x 18 cm
60 págs.
exemplar estimado; miolo limpo
ocasionais carimbos da Biblioteca da Sociedade de Língua Portuguesa
20,00 eur (IVA e portes incluídos)

Dissertação de licenciatura apresentada em 1940 na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, cuja orientação o autor – Francisco José de Abreu Fonseca Veloso, então aluno – deveu a Marcelo Caetano.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


O Islão na Índia


EDUARDO DIAS

Lisboa, 1942
Livraria Clássica Editora – A. M. Teixeira & C.ª (Filhos)
1.ª edição
19 cm x 12,3 cm
112 págs.
subtítulo: [na capa] A Índia Fabulosa da Antigüidade – As Invasões Primitivas e a Expansão Muçulmana – A Era Portuguesa – Bismarck e a Inglaterra – As Doutrinas de Gandi – As Castas e os Párias – Atitude da Índia Perante a Gran-Bretanha no Conflito Universal; [no frontispício] A Expansão Muçulmana – A Era Portuguesa – A Penetração Britânica – Índia, a Sereia Oriental
exemplar em muito bom estado de conservação; miolo irrepreensível, por abrir
22,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Páginas Africanas


WENCESLAU DE MORAES

s.l., s.d. [Porto, circa 1952]
Editorial Cultura [Petrus (Pedro Veiga)]
1.ª edição
19,7 cm x 13,4 cm
210 págs.
requintadamente ilustrado
composto manualmente
exemplar em bom estado de conservação; miolo irrepreensível, pontualmente por abrir
é o n.º 19 da tiragem especial em papel azul numerada e assinada pelo Editor
PEÇA DE COLECÇÃO
125,00 eur (IVA e portes incluídos)

É das primeiras e, ainda hoje, das melhores reuniões temáticas de dispersos do Autor. Documentos que o editor fez enquadrar por detalhada bibliografia enriquecida por nótulas «descritivas, críticas, anedóticas, íntimas e epistolares». São ainda chamados à homenagem, entre outros, Fialho de Almeida, Fidelino de Figueiredo, Castelo Branco Chaves, Afonso Lopes Vieira, Joaquim Manso, Vitorino Nemésio, Jaime do Inso, Castro Soromenho, etc. O volume é invulgarmente bonito: um modelo gráfico de paginação, dos que tornam ainda mais evidente o actual e generalizado mau gosto propalado pelos editores.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Os Serões no Japão



WENCESLAU DE MORAES

Lisboa, s. d. [1926]
Portugal-Brasil, Sociedade Editora
1.ª edição
19,4 cm x 12,4 cm
228 págs.
profusamente ilustrado a preto e branco no corpo do texto
exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo, por abrir
40,00 eur (IVA e portes incluídos)

Um apontamento de Wenceslau fac-similado, em abertura ao livro, diz-nos tratar-se este de uma reunião de artigos seus para a revista Serões de Lisboa. É-nos dado ler, a dado passo, a título de exemplo da finura da sua observação do Oriente:
«[...] Os dirigentes japonezes almejavam por estabelecer em bases firmes o commercio do paiz com o Occidente, no proposito de engrandecel-o pela industria e pelos progressos adquiridos; mas não podiam admitir tamanha influencia moral, exercida por estranhos [refere-se aos cristãos], tendente á desintegração da familia japoneza, ao fanatismo, á oppressão religiosa, á inquisição e certamente, como remate, ao dominio politico dos brancos no solo dos Mikados. A opinião é correntia, entre os modernos escriptores occidentais mais competentes, que o perigo jesuita foi uma das mais ameaçadoras conjuncturas que hão posto em risco a independencia japoneza, durante a longuissima existencia da nação. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

O «Bon-odori» em Tokushima




WENCESLAU DE MORAES
[prefácio de] Bento Carqueja

Porto, s.d. [1929, ano da morte acidental do Autor]
Companhia Portuguesa Editora, Ld.ª
2.ª edição
19,2 cm x 12,3 cm
288 págs. + 2 folhas em extra-texto
subtítulo: Caderno de Impressões Intimas
ilustrado no corpo do texto e em separado
exemplar estimado; miolo limpo, pequena mancha de ressumo de cola no canto superior direito da capa
40,00 eur (IVA e portes incluídos)

Livro de crónicas do Japão com elementos autobiográficos, de história e cultura local, e um importante testemunho acerca da festa dos mortos. Todavia, já em 1915 – um ano antes da sua primeirra publicação – ele «Confessa ter escrito O “Bon-odori” em Tokushima “muito à pressa, como que de empreitada”. [...] Na sua opinião [...] é um livro medíocre e foi publicado crivado de gralhas. [...] Em carta endereçada a José Simões Pires, considera que no Bon-odori em Tokushima existem “passagens que nem eu, já esquecido do que escrevi, as entendo. [...]» (Daniel Pires, Wenceslau de Moraes – Fotobiografia, Fundação Oriente, Lisboa, 1993)

pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

A Paixão Chinesa de Wenceslau de Moraes


DANILO BARREIROS
pref. Tereza Sena
capa de Pedro Barreiros

Macau, 1990
Instituto Português do Oriente
2.ª edição
24,2 cm x 18 cm
82 págs.
profusamente ilustrado
exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo
20,00 eur (IVA e portes incluídos)

Leopoldo Danilo Barreiros (1910-1994), tendo nascido em Lisboa, radicou-se em Macau em 1933, pelo que se tornou um importante defensor e promotor da cultura oriental, destacando-se os seus breves apontamentos acerca de Wenceslau de Moraes e de Camilo Pessanha. O vertente, trata-se de uma das mais interessantes perspectivas sobre a vida do «exilado de Tokushima», mas também daquele que, além do Japão, amou através de uma «rapariga de 15 anos, a Atchan [nome familiar de Vong-Ioc-Chan] com quem viveu intimamente», amou uma cultura chinesa não menos perturbante do que a nipónica.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


segunda-feira, janeiro 16, 2017

Davam Grandes Passeios aos Domingos...


JOSÉ RÉGIO
capa de Fred Kradolfer

Lisboa, 1941
Editorial “Inquérito”, L.da
1.ª edição
19 cm x 12,5 cm
80 págs.
exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo
assinatura de posse no ante-rosto
30,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Davam Grandes Passeios aos Domingos...


JOSÉ RÉGIO
capa e ilust. Lima de Freitas

Lisboa, s.d. [1962]
Editorial Inquérito, Lda.
2.ª edição (1.ª edição ilustrada)
16,8 cm x 12,4 cm
120 págs.
exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo
20,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


A Questão das Raças


SÉRGIO AUGUSTO VIEIRA
pref. Quintiliano Saldaña e Manuel de Burgos y Mazo

Porto, 1936
Edições Maranus
1.ª edição
19,2 cm x 12,8 cm
36 págs.
subtítulo: A absurda e insustentável concepção do racismo
exemplar estimado; miolo limpo
valorizado pela dedicatória manuscrita do Autor
20,00 eur (IVA e portes incluídos)

Sérgio Augusto Vieira (1908-?) foi jornalista e escritor, esteve ligado aos periódicos Pensamento (1930-1940) e Revista do Norte (1955). A sua posição relativamente ao racismo mereceu, em Outubro de 2014, a inclusão desta sua obra na bibliografia do blog oficial da Jewish Community of Oporto.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Raça e Nacionalidade


MENDES CORRÊA

Porto / Rio de Janeiro (Brasil), 1919
Renascença Portuguesa / Luso-Brasiliana
1.ª edição
19 cm x 12,4 cm
192 págs.
exemplar manuseado mas aceitável; miolo limpo
VALORIZADO PELA DEDICATÓRIA MANUSCRITA DO AUTOR
ostenta colado no verso da capa o ex-libris de José Coelho
50,00 eur (IVA e portes incluídos)

Uma passagem do texto:
«[...] Uma desastrada confusão se estabeleceu entre Antroposociologia e pangermanismo, e dessa confusão provém em grande parte o desfavor com que até nos meios mais cultos déla se fala. Como todos os grandes impérios da história, o império alemão ha de desaparecer mais cedo ou mais tarde na voragem exterminadora das maiores ambições humanas [...], e a antroposociologia ficará de pé, porque como sciência biosociológica éla mesma proclama a evolução dos povos e a instabilidade das organisações sociaes, mesmo das mais fortes e menos sujeitas a influências dissolventes e abastardantes. [...]»
O antropólogo e médico Mendes Correia (1888-1960) opunha-se assim à corrente germanófila então dominante, num livro vindo a lume volvido um ano sobre o assassinato do seu mais claro representante: Sidónio Pais.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


sábado, janeiro 14, 2017

A Erva Canta



DORIS LESSING
trad. Daniel Gonçalves
capa de Paulo-Guilherme

Lisboa, s.d.
Editora Ulisseia Limitada
[s.i.]
19,1 cm x 13,3 cm
260 págs.
exemplar como novo, sem qualquer quebra na lombada
22,00 eur (IVA e portes incluídos)

Prémio Nobel em 2007, este seu livro de 1950 encena, na à época denominada Rodésia, «[...] um conflito dos nossos dias, entre negros e brancos [...]»... É uma África admiravelmente vista do lugar de uma escritora comunista inglesa.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

sexta-feira, janeiro 13, 2017

O Fim do Mundo no Ano 2000


JOÃO PAULO FREIRE (MARIO)
capa de Eduardo Faria

Braga, 1927
Raúl Guimarães & Gualdino Correia – «Casa do Globo»
1.ª edição
19,5 cm x 12,7 cm
176 págs.
subtítulo: A prophecia de S. Malachias. – A sua realisação atravez os tempos. – Os ultimos papas.
exemplar estimado; miolo limpo
20,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


quarta-feira, janeiro 11, 2017

Alimentação Natural


JOSÉ LYON DE CASTRO, dr., 1900-1988

s.l., s.d. [Mem Martins, 1982 (seg. BNP)]
Publicações Europa-América, Ld.ª (ed. Francisco Lyon de Castro)
[1.ª edição]
20,8 cm x 13,9 cm
276 págs.
exemplar estimado; miolo limpo
27,00 eur (IVA e portes incluídos)

Importante estudo dos alimentos em geral e da sua melhor ou pior adequação às necessidades do nosso organismo, numa perspectiva bromatológica e dietética.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


domingo, janeiro 08, 2017

Flora Cochinchinensis



JOANNIS DE LOUREIRO

Ulyssipone, 1790
Typis, et Expensis Academicis
1.ª edição
tomos I e II (completo)
texto em latim
26 cm x 20,6 cm (brochura)
XX págs. + 744 págs. (num. contínua) + 4 págs.
subtítulo: Sistens | Plantas in Regno Cochinchina Nascentes. | Quibus Accedunt Aliæ | Observatæ | In | Sinensi Imperio, | Africa Orientali, | Indiæque Locis Variis. | Omnes Disposit æ Secundum | Systema Sexuale Linnæanum.
brochura não aparada, no estado original de circulação no século XVIII, com o respectivo papel de protecção, acondicionada em sóbrio estojo de fabrico recente
exemplar em muito bom estado de conservação; miolo irrepreensível, por abrir
PEÇA DE COLECÇÃO
1.600,00 eur (IVA e portes incluídos)

Diz-nos Inocêncio Francisco da Silva no seu Diccionario Bibliographico Portuguez (tomo III, Imprensa Nacional, Lisboa, 1859):
«Padre João de Loureiro, Jesuita egresso, e natural de Lisboa, n. conforme a opinião mais seguida em 1710. Tendo cursado os estudos no collegio de Sancto Antão, vestiu a roupeta da Companhia em 1732, e tres annos depois partiu para a Asia, na qualidade de missionario. Viveu trinta e seis annos na Cochinchina, e em 1779 chegou a Cantão, d’onde ao fim de tres annos sahiu para Portugal, trazendo composta a sua Flora Cochinchinensis. Entrou em Lisboa em 1782 achando-se já nomeado Socio da Acad. Real das Sciencias desde 4 de Abril do anno antecedente. Foi tambem Socio da Sociedade Real de Londres, e mui celebre pelos seus conhecimentos botanicos. M. na rua do Sol, a Sancta Engracia, em 18 de Outubro de 1791, como consta da respectiva certidão de obito, com a qual se convence de falsa a opinião dos que o julgavam falecido em 1795. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Fables




LA FONTAINE
Grandville

Tours, 1864
Alfred Mame et Fils, Éditeurs
s.i.
texto em francês
18,2 cm x 11,7 cm
X págs. + 512 págs.
encadernação coeva inteira em pele marmoreada com elegante gravação a ouro na lombada
aparado, sem capas de brochura
exemplar estimado; miolo limpo, ocasional foxing
45,00 eur (IVA e portes incluídos)

Grandville, pseudónimo de Jean Ignace Isidore Gérard (1803-1847), foi um dos grandes desenhadores caricaturistas do século XIX francês, com vasta obra impressa quer em periódicos, quer em livros.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Parodie du Juif Errant




CHARLES PHILIPON
LOUIS HUART
Cham

Paris, s.d. [1844]
Aubert et Cie, Éditeurs
s.i. [1.ª edição]
texto em francês
18,1 cm x 12,2 cm
348 págs.
subtítulo: Complainte Constitutionnelle en Dix Parties
profusamente ilustrado no corpo do texto com «300 vignettes par Cham (de N..)»
encadernação antiga com lombada em pele gravada a ouro
aparado, sem capas de brochura
exemplar estimado; miolo limpo, ocasionalmente com manchas de antiga humidade
assinatura de posse no ante-rosto
ostenta colado no verso da pasta anterior o rótulo da Livraria de Pedro de Medeiros e Albuquerque que fez gravar as suas iniciais na lombada
120,00 eur (IVA e portes incluídos)

Cham, pseudónimo de Charles-Amédée-Henry de Noé (1818-1879), desenhador caricaturista muito influenciado por Daunier, colaborou em várias publicações, entre as quais os parisienses Charivari e Illustration. Charles Philipon (1800-1862), igualmente caricaturista, mas também escritor satírico, foi o fundador da editora Aubert, e director do referido Charivari. Escusado será dizer que o tom de ambos é de um republicanismo feroz contra o poder vigente, dando origem a hilariantes figuras políticas e de costumes da época. Louis Adrien Huart (1813-1865), além de ter dirigido o Teatro Nacional do Odeon, foi jornalista, companheiro de sátira no Charivari, onde exerceu as funções de chefe-de-redacção.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089