quarta-feira, junho 21, 2017

OS NOSSOS PREÇOS JÁ INCLUEM =IVA= E DESPESAS DE =ENVIO= EM PORTUGAL

2.900 obras disponíveis nesta montra
é só ir clicando ao fundo da página
em Mensagens antigas


contacto:
telemóvel: 919 746 089


todas as obras fotografadas correspondem aos exemplares que se encontram à venda
livros usados
todas as encomendas são enviadas em correio registado
international shipping rates
* e-business professional
pagamentos por PayPal, transferência bancária ou contra-reembolso

* em cumprimento da Lei n.º 144/2015, de 8 de Setembro – Resolução Alternativa de Litígios de consumo (RAL), artigo 18.º, cabe-nos informar que a lista de Centros de Arbitragem poderá ser consultada em www.consumidor.pt/


Antologia do Humor Negro


ANDRÉ BRETON [org.]
tradutores: Aníbal Fernandes, Ernesto Sampaio, Isabel Hub, Jorge Silva Melo, Luiza Neto Jorge e Manuel João Gomes
capa de Sérgio Guimarães
plano gráfico de António Sena

Lisboa, 1973
Fernando Ribeiro de Mello / Edições Afrodite
1.ª edição [única]
21 cm x 14,4 cm
XXIV págs. + 456 págs.
as primeiras dezasseis páginas são impressas em off-set sobre papel encorpado (semi-cartolina), todas as outras são linotipadas
exemplar estimado; miolo limpo
ostenta colado na pág. II o ex-libris de Carlos J. F. Vieira
70,00 eur (IVA e portes incluídos)

Da nota de badana:
«O regime de Vichy foi forjado por Hitler em 1940, depois de as suas tropas terem entrado vitoriosas na França: era o grande sinal de que a Grande Guerra fora ganha pela Alemanha nazi.
O regime de Vichy era constituído por quatro franceses (Pétain, Pucheu, Barthélemy, Brinon) que colaboraram com o nazismo durante quatro anos e fielmente cumpriram as ordens que Berlim mandava: processaram judeus, guilhotinaram comunistas, eliminaram chefes sindicalistas.
E a primeira edição da Antologia do Humor Negro (1939) foi por eles retirada do mercado logo que apareceu. O humor negro não será a melhor prova de que a estupidez e o crime nunca ganharam qualquer guerra?
O humor negro é mais que o riso, é mais que a ironia: é a crueldade destrutiva que abala os alicerces de todos os regimes – é uma ameaça constante ao império da irracionalidade, ao domínio da injustiça, ao crime organizado.
É por isso que os textos desta Antologia se apresentam sempre como literatura de vida ou de morte: é por isso que os autores escolhidos por Breton são quase todos daqueles homens que nenhum governo de Vichy recuperará. [...]»
Tal texto foi redigido em pleno regime de São Bento.

pedidos para:
frenesilivros@yahoo.com
telemóvel: 919 746 089

Anthologie de l’Humour Noir


ANDRÉ BRETON [org.]

Paris, 1970
Jean-Jacques Pauvert / Le Livre de Poche
4.ª edição [2.ª edição neste editor]
16,5 cm x 11 cm
448 págs.
corte carminado
exemplar muito estimado, sem qualquer quebra na lombada; miolo limpo
assinatura de posse no frontispício
22,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Coisas


aa.vv.

Lisboa, Fevereiro-Março de 1974
& etc – Publicações Culturais Engrenagem, Lda.
1.ª edição [única]
17,5 cm x 15,3 cm
176 págs.
ilustrado
capa impressa a uma cor sobre o lado rude de cartolina duplex, sobrecapa a duas cores sobre o lado mate de papel kraft
exemplar muito estimado; miolo irrepreensível
PEÇA DE COLECÇÃO
95,00 eur (IVA e portes incluídos)

Trata-se do primeiro livro editado pela casa & etc, até aí unicamente responsável por publicação periódica homónima. Dado o carácter globalmente agreste, linguagem a condizer, desenhos não menos acutilantes, e porque traz data de impressão anterior ao 25 de Abril que correu com a polícia política e a censura, foi obra que ainda se viu sujeita às técnicas de venda de mão em mão e por baixo dos balcões. Reúne intervenções escritas e ilustrações de Adelino Tavares da Silva / [Carlos] Ferreiro, António [Tavares] Manaças / Eurico [Gonçalves], Baptista-Bastos / Lud, Carlos Porto / Figueiredo Sobral, José Martins / João Rodrigues, Nelson de Matos / Ana Machado, Paulo da Costa Domingos / Gonçalo [Duarte], Pedro Oom / Lud, Virgílio Martinho / [Maria] Aurélia, Vitor Silva Tavares / Aldina [Costa].

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Amarrado ao Pelourinho


ANSELMO BRAAMCAMP FREIRE

Lisboa, 1907
Ed. do Autor
1.ª edição
30 cm x 21,5 cm
80 págs.
encadernação com lombada e cantos em pele, nervuras e ferros a ouro; exibe etiqueta da Livraria Académica de J. Guedes da Silva (Porto) colada no canto superior esquerdo do verso da pasta anterior
folhas-de-guarda e primeira e última folhas do miolo com fortes sinais de antiga humidade; no restante o miolo está impecável e foi somente aparado à cabeça, conservando largas margens em torno da mancha tipográfica
sem capas de brochura
falta de papel na pasta das costas (vd. destaque na imagem junto)
60,00 eur (IVA e portes incluídos)

É um dos escassos 150 exemplares impressos fora da tiragem normal inclusa no Archivo Historico Portuguez de Junho desse ano. Trata-se do regresso a uma violenta polémica que Freire sustentou contra José Caldas a propósito de um livro deste, História de um Fogo Morto..., onde são proferidas algumas «imposturas» históricas, e surge assim publicada «para que, quando da obra de José Caldas só tiverem noticia os vermes dos cantos escuros das bibliotecas, os seus processos de critica, os seus destemperos de linguajem, subsistão para justa apreciação do seu caracter. [...]»
Bramcamp Freire foi, não só historiador, mas também activista republicano, e nesta qualidade chegou a presidente da Câmara Municipal de Lisboa em 1908, sendo o primeiro republicano a assumir os destinos da cidade.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Antologia [1945-1961]



EUGÉNIO DE ANDRADE
ensaio de Eduardo Lourenço
desenho de Dordio Gomes

s.l., 1961
Delfos
1.ª edição
19,5 cm x 13 cm
232 págs.
impresso sobre papel avergoado
exemplar muito estimado, apresentando sinais de traça na contracapa; miolo irrepreensível
60,00 eur (IVA e portes incluídos)

Reúne aqui o Autor o melhor da sua produção poética, abrangendo os excepcionais livros As Mãos e os Frutos, Os Amantes Sem Dinheiro, As Palavras Interditas, Até Amanhã, Coração do Dia e Mar de Setembro. O magnífico ensaio do filósofo Eduardo Lourenço constitui a introdução à leitura que qualquer poeta desejaria.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Teoria da Tributação


CARLOS WALLENSTEIN

Lisboa, 1966
Sociedade de Expansão Cultural
1.ª edição
21,4 cm x 15,7 cm
capa de Júlio Gil
exemplar em bom estado de conservação, miolo muito limpo e por abrir
20,00 eur (IVA e portes incluídos)

Diz o poeta Pedro Tamen na sua nota de abertura à reunião póstuma das Obras Completas – 1, Poesia de Wallenstein (Edições Salamandra, Lisboa, 1998):
«[...] o seu nome estava, para mim, sobretudo ligado ao teatro, ou, melhor, a uma zona literário-teatral confusamente conectada com os meios surrealistas.
[...] E foi então que, com os olhos paradoxalmente clarividentes que o afecto proporciona, aprendi a amar a sua poesia nos dois livros dela que publicou (a Teoria da Tributação, que me escapara nove anos antes e o Corpo Conflito, que me surpreenderia oito anos depois).
Verifiquei então, nessas leituras mais atentas, e independentemente do conhecimento que fui tendo de outras coisas que escrevera e publicara, sobretudo de teatro, como no seu verbo poético se exprimia, a um nível de realização formal geralmente brilhante, um diálogo com o mundo cujas características originais igualmente, e noutro plano, transpareciam na sua vida quotidiana: um humor corrosivo e destruidor perante uma sociedade impossível de levar a sério, traduzido numa linguagem sacudida e transgressora – e aqui, em ambas as coisas, é indiscutível a familiaridade com os surrealistas –, lado a lado com uma afectuosíssima, comovida, quase infantil e não contraditória relação com as pessoas e o mundo [...].»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Boa Noite


PEDRO PAIXÃO

Lisboa, 1993
Edições Cotovia, Lda.
2.ª edição
20,5 cm x 13 cm
80 págs.
exemplar em bom estado; miolo limpo
VALORIZADO PELA DEDICATÓRIA MANUSCRITA DO AUTOR
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

O autor, para além da sua actividade como agente publicitário, desenvolveu nos anos 80 do século passado intensa intervenção literária, podendo a sua prosa ser considerada à altura da dos seus congéneres internacionais, de que Menos Que Zero (Bret Easton Ellis) foi modelo.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

terça-feira, junho 20, 2017

Das Leben zwischen der Geburt und dem Tode als Spiegelung des Lebens zwischen Tod und neuer Geburt


RUDOLF STEINER

Dornach [Suíça], 1935
Philosophisch-Anthroposophischer Verlag
[1.ª edição ?]
20,5 cm x 13,6 cm
56 págs.
subtítulo: Gebete für Mütter und Kinder
encadernação editorial, impressão sobre a tela
exemplar com a capa suja do manuseio, miolo muito limpo
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Salvo melhor versão, pode traduzir-se título e subtítulo desta obra do esoterista Rudolf Steiner por O Amor para a Vida e a Morte como um Reflexo da Vida entre a Morte e o Renascimento. Orações para Mães e Filhos.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Emmène-moi au bout du monde!...

BLAISE CENDRARS

Paris, 1956
Éditions Denoël
1.ª edição (tiragem comum)
18,5 cm x 11,9 cm
304 págs.
exemplar manuseado mas muito aceitável; miolo limpo
30,00 eur (IVA e portes incluídos)

De seu nome próprio Frédéric Louis Sauser, o aventureiro e escritor suíço é conhecido entre nós desde, pelo menos, a publicação em 1917 de um conjunto de poemas seus no Portugal Futurista. A sua atenção ao idioma português levou-o mesmo a pegar de frente o mais importante romance de Ferreira de Castro, A Selva, e, ao traduzi-lo para francês, a dar-lhe uma notável e invulgar volta, transformando-o numa peça literária merecedora de, a partir daí, voltar a ser trazida para português.
Da nota de contracapa:
«Pour la première fois dans son œuvre, Blaise Cendrars publie un roman ou le personnage central est une femme.
Comédienne vieillie, mais toujours triomphante, Thérèse va interpréter le rôle le plus étonnant de sa carrière: Madame l’Arsouille. C’est que ce rôle – ou presque – elle le joue quotidiennement dans l’existence. Aucune sensation, aucun vice ne lui est étranger. Ses amants, ses amis, se recrutent dans tous les milieux. Elle brûle non seulement les planches du Théâtre, mais celles de la Vie. Elle entraîne le lecteur parmi les drames, les jalousies, les rivalités des coulisses, et en même temps le fait pénétrer dans le Paris Interdit où souteneurs, drogués, artistes de génie, ratés, gens du monde et du demi se côtoient et sont mêlés, aujourd’hui à un fait divers crapuleux, demain à la plus brillante des générales. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Mémoires d’Hadrien suivi des Carnets de Notes des Mémoires d’Hadrien



MARGUERITE YOURCENAR

Paris, 1974
Éditions Gallimard
s.i. (segundo a edição Plon de 1958)
20,5 cm x 13,6 cm
6 págs. + 362 págs.
exemplar estimado; miolo limpo
assinatura de posse do escritor surrealista Ricarte Dácio
30,00 eur (IVA e portes incluídos)

Tentativa de forjar uma “autobiografia” do imperador romano a partir dos documentos que nos chegaram. Mas, mais do que História, é a força poética da autora o que nos prende.
Uma conhecida passagem, a que fecha o livro, quando a morte do biografado se avizinha:
«[...] Un instant encore, regardons ensemble les rives familières, les objets que sans doute nous ne reverrons plus... Tâchons d’entrer dans la mort les yeux ouverts...»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Dans un Mois Dans un An


FRANÇOISE SAGAN

Paris, 1957
René Julliard
1.ª edição
18,6 cm x 12 cm
192 págs.
exemplar manuseado mas em bom estado de conservação
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

É o primeiro romance da escritora francesa, que veio a notabilizar-se logo com o romance seguinte, Bonjour Tristesse.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

segunda-feira, junho 05, 2017

De la Peine de Mort



F. [FRANÇOIS] GUIZOT

Bruxelas, 1838
Société Belge de Librairie, etc. – Hauman et Compagnie
Imprimerie Judenne
«nouvelle édition» (2.ª edição)
16,8 cm x 11 cm
XVIII págs. + 158 págs. + 2 págs.
exemplar muito estimado, capa e contracapa espelhadas sobre gravura antiga; miolo limpo
assinatura de posse no frontispício
50,00 eur (IVA e portes incluídos)

François Pierre Guillaume Guizot (1787-1874), historiador, liberal conservador partidário da ideia de uma monarquia constitucional, foi ministro da Educação, ministro dos Negócios Estrangeiros e mesmo Primeiro Ministro de Luís-Filipe I de França, tendo resignado à beira das barricadas parisienses de 1848, não sem dar ordens militares de neutralização dos revoltosos. Todavia, são produto da sua reflexão histórica conceitos produtivos como sociedade de massas, classes sociais, igualdade dos cidadãos, conceitos de que Marx e Engels se apropiarão levando-os a um outro nível de leitura da vida quotidiana.
A questão da pena de morte é, assim, tratada como vã pretensão dos governantes a dominarem os povos. No seu entendimento, desde que a acção dos indivíduos se tornara num comportamento massificado expresso em tumultos sociais colectivos (revoluções), deixara de resultar, como medida de aviso, o castigo individual. Bem pelo contrário, a guilhotina iria virar-se contra os seus promotores, ninguém mais estaria ao abrigo dos instrumentos de morte por si criados.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Escravatura: A Empresa de Saque – O Abolicionismo (1810-1875)


JOSÉ CAPELA
grafismo de João Machado

Porto, Outubro de 1974
Edições Afrontamento (ed. José Soares Martins)
1.ª edição
19,3 cm x 12,4 cm
308págs.
ilustrado
exemplar muito estimado, apresenta um vinco na capa, embora sem qualquer sinal de quebra na lombada; miolo limpo
35,00 eur (IVA e portes incluídos)

Algumas passagens do ensaio:
«[...] Antes de Marcelo Caetano, já Oliveira Martins [...] justificara a escravidão com a inferioridade das raças índias do Brasil e das africanas. A guerra teria estado na origem da escravidão desde toda a antiguidade e foi também “a causa imediata da escravização dos indígenas no Ultramar”. O carácter próprio da escravatura moderna não lhe advém da espécie de cativeiro duro imposto a vencidos, mas sim de: “A exploração e o comércio do negro, como máquina de trabalho, eis aí o que é peculiar dos tempos modernos, e não o facto da existência de classes na condição de escravos dentro de uma sociedade”.
O mesmo autor acha que não temos de que nos envergonhar por termos sido os primeiros no tráfico, porque “sem negros, o Brasil não teria existido; e sem escravos nação alguma começou”. [...]
Não há dúvida que se génio houve no Infante foi o de negociante que soube arquitectar, prever e esperar uma exploração inteiramente nova de tráfico intercontinental, a uma escala jamais observada. E que agia calculadamente está patente no facto de, logo aos primeiros resultados da expedição, ter a coroa portuguesa requerido ao Papa a legitimação da empresa, o que fez a Eugénio IV. [...]
A primeira [bula] autoriza o rei de Portugal a atacar, conquistar e subjugar pagãos e outros infiéis, a capturar seus bens e territórios; a reduzir suas pessoas à escravatura perpétua e a transferir as suas terras e propriedades para o rei de Portugal e seus sucessores. [...]»
Até à sua extinção, a escravatura manter-se-ia como a maior, quase única, fonte de receitas públicas, nas colónias africanas. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Os Ovos d’Oiro


ARMANDO DA SILVA CARVALHO
capa e grafismo de Fernando Felgueiras

Lisboa, 1969
Publicações Dom Quixote
1.ª edição
18,1 cm x 11 cm
88 págs.
exemplar em muito bom estado de conservação, sem qualquer sinal de quebra na lombada; miolo limpo
30,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


O Comércio dos Nervos

ARMANDO DA SILVA CARVALHO

s.l. [Tomar], 1968
Nova Realidade
1.ª edição
21 cm x 12,2 cm
100 págs.
capa em cartolina preta revestida por sobrecapa de cujo inteligente desenho se ignora o autor
exemplar manuseado mas com o miolo limpo à excepção da folha de ante-rosto, em que sucessivos livreiros por onde o livro terá passado foram ou colando novos e arrancando velhos talões, ou escrevendo e apagando preços (o último canhoto visível remete para a livraria da Assírio & Alvim)
27,00 eur (IVA e portes incluídos)

Trata-se do segundo livro do poeta. E é um conjunto de versos que já denotava a fuga do escritor das águas contidas da Poesia 61 para o rio revolto do Surrealismo.
Apenas uma passagem:

«[...] Forçaste-me à renúncia
silogística do verso, à metáfora
gorda, ao corrimão num pulo
porque te estendes, inchas
e cobres tudo com teus lençóis abstractos.

Falar contigo é devolver-te
o uso descarado das palavras: apoiar
as vísceras sensíveis nos teus ombros
o peso da beleza quando se quer dinheiro
o riso dividido quando se quer um corpo
o sémen do futuro quando se quer morrer. [...]

Ouve cansaço: apalpo-te as orelhas
que intensas e comovendo os fracos
me tapam o nariz.
O cheiro da comida é assunto diário
em cada bairro
e todos temos pressa.
Um faro luminoso acode-nos ao sangue
mastigamos-te o mais prosaicamente:
– tu tens de recuar.»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Em Nome da Mãe



ARMANDO SILVA CARVALHO

Porto, 1993 [aliás, 1994]
Edições Afrontamento
1.ª edição
22,9 cm x 14,4 cm
252 págs.
exemplar em muito bom estado de conservação, sem qualquer sinal de quebra na lombada; miolo irrepreensível
VALORIZADO PELA DEDICATÓRIA MANUSCRITA DO AUTOR A MARIA JOÃO SEIXAS
40,00 eur (IVA e portes incluídos)

«Armando Silva Carvalho, que com Portuguex (1977) nos havia dado o romance “esquizo-histórico” da nossa identidade revista pelo 25 de Abril, dá-nos com Em Nome da Mãe (1994) a continuação não menos esquizo-histórica da nossa submissão à CEE, naquela que é uma das mais violentas caricaturas do capitalismo avançado visto a partir do nosso olhar mendigo e ao mesmo tempo guloso.» (Fonte: Luís Mourão, in Óscar Lopes / Maria de Fátima Marinho, História da Literatura Portuguesa – As Correntes Contemporâneas, vol. 7, Publicações Alfa, Lisboa, 2002)

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Lírica Consumível


ARMANDO DA SILVA CARVALHO

Lisboa, 1965
Editora Ulisseia
1.ª edição
18,4 cm x 10,3 cm
108 págs.
orientação gráfica do pintor Espiga Pinto
com sobrecapa em papel de alcatrão
é o n.º 9 da prestigiada Colecção Poesia e Ensaio
exemplar como novo
35,00 eur (IVA e portes incluídos)

O autor veio do grupo da Poesia 61 e alçou-se a um tom poético mais próximo do surrealismo populista de Alexandre O’Neill. Um exemplo, ao acaso:
«[...] Há quem ponha as mãos no peito
e diga como uma criança
que aponta o mar:
o ar está liso
a superfície seca.
Vão para dentro e depois encostam o poema
às tábuas do silêncio – apertam as palavras
no sangue já nativo, conspícuo
de uma sincopagem;
enxugam os vocábulos ao descalçar
as meias variáveis
e colocam os pés num espaço exíguo. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Portuguex


ARMANDO SILVA CARVALHO
capa de Maria José Oliveira

Lisboa, 1977
Diabril, Cooperativa Editorial
1.ª edição
19 cm x 13,9 cm
272 págs.
subtítulo: Romance Esquizo-histórico
exemplar estimado; miolo limpo
27,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Portuguex


ARMANDO SILVA CARVALHO
pref. Maria Estela Guedes
capa de Vitorino Martins

Lisboa, 1981
Moraes Editores
2.ª edição
20 cm x 14 cm
248 págs.
exemplar muito estimado; miolo irrepreensível
25,00 eur (IVA e portes incluídos)

Da Apresentação de Estela Guedes:
«[...] Neste domínio, o da História, “Portuguex” ilustra exemplarmente o estado de confusão e incoerência que se seguiu, a meu ver naturalmente, aos acontecimentos políticos de 74.
A realidade sociopolítica é vista em estado de fragmentação, fragmentação reflectida no romance pela própria técnica de sequência de mosaicos. Quer dizer, a brusca desagregação da aparente solidez de um empresa hipoteticamente chamada Portuguex vai espelhar-se no despedaçamento da empresa romanesca. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


quinta-feira, maio 25, 2017

A Literatura Indo-Portuguesa

VIMALA DEVI
MANUEL DE SEABRA


Lisboa, 1971
Junta de Investigações do Ultramar
1.ª edição
2 volumes (completo)
23,3 cm x 18 cm
372 págs. + 452 págs.
subtítulo do vol. 2: Antologia
exemplares bem conservados, miolo limpo
120,00 eur (IVA e portes incluídos)

É um trabalho de investigação antológica e ensaística séria realizado sobre fontes primárias – isto, dado nada existir até então, apesar de tanto século de ocupação imperial portuguesa... Da leitura destes volumes sobressai uma expressão nova da língua portuguesa, aqui patente na força estética e histórico-social de perto de setenta autores reunidos no segundo volume. Mereceu um tal trabalho, à época, o Prémio Abílio Lopes do Rego da Academia das Ciências.
Do casal de autores, se Seabra ficará mais conhecido como tradutor poliglota (catalão, esperanto, etc.) cujas escolhas de seu gosto divulgou a um ritmo regular ao longo de anos, já Vimala Devi é um caso de intervenção cultural espraiado por domínios que vão da ficção à poesia, da divulgação do folclore goês à pintura, etc., etc.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Goa, Damão e Dio


MANUEL DE SEABRA [introd., selec. e notas]

Lisboa, s.d. [1962]
Livraria Bertrand
1.ª edição
17,3 cm x 12 cm
212 págs.
profusamente ilustrado no corpo do texto
exemplar como novo
20,00 eur (IVA e portes incluídos)

Antologia de textos que múltiplos escritores dedicaram à presença de Portugal no Oriente, entre os quais destaque-se, desde logo, Duarte Barbosa, João de Barros, Gaspar Correia, Fernão Mendes Pinto e Diogo do Couto; Cunha Rivara, o conde de Ficalho, Alberto Osório de Castro, Mário Neves e Vimala Devi são de notar entre os contemporâneos.
É ainda de assinalar um percalço que rodeou a edição deste livro. Diz-nos uma nota de fecho o seguinte: «No momento em que ocorreu a trágica incasão do Estado da Índia, encontrava-se já este volume quase totalmente composto. Ainda foi possível, no entanto, inserir alguns novos autores que expressamente se referiram à ocupação desses territórios portugueses pelo Exército da União Indiana.» Refere-se Seabra a, por exemplo, entre outros, Francisco da Cunha Leão, Azinhal Abelho e Natércia Freire.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

quarta-feira, maio 24, 2017

O Trajo Popular em Portugal nos Seculos XVIII e XIX [junto com] O Trajo Popular em Portugal nos Seculos XVI e XVII



ALBERTO SOUZA

Lisboa, 1924 e 1925
Edição do Autor
Livraria Portugália (depositário)
1.ª edição
1 volume + 3 fascículos (completo)
32,5 cm x 25 cm (in 4.º)
[254 págs. + 8 estampas em extra-texto (tricromias)] + [XVI págs. + 16 págs. + 1 estampa em extra-texto (tricromia)] + 2 x [32 págs. + 1 estampa em extra-texto (tricromia)]
subtítulos:
I parte – 400 Gravuras Reproduzidas Directamente pela Fotografia, Segundo os Documentos da Época
II parte – 200 Gravuras Reproduzidas Directamente pela Fotografia, Segundo os Documentos da Época
profusamente ilustrado
impressão sobre papel superior, tricromias impressas sobre cartolina couché, capas de brochura com estampas coladas
volume com encadernação editorial, lombada e cantos em pele com gravação a ouro em ambas as pastas
carminado no corte à cabeça, conserva todas as capilhas
os 3 fascículos da II parte estão em brochura
exemplares muito estimados; miolo irrepreensível
220,00 eur (IVA e portes incluídos)

Alberto Sousa, pintor discípulo do aguarelista Nicola Bigaglia e do desenhador Manuel de Macedo, legou à história literária nacional obra gráfica de ilustrador ainda hoje reconhecida. Como estudioso interessado pela arqueologia, é de lembrar a sua co-responsabilidade editorial, juntamente com Sebastião Pessanha e Virgílio Correia, na revista etnográfica Terra Lusa.
Da publicidade aquando do lançamento da vertente obra:
«Esta obra onde se vai compendiar a História do Trajo Popular no nosso país, representando um valioso cometimento, destina-se a difundir, pelo pitoresco, do vestuário do povo, o conhecimento do caracter português nas suas exteriorizações sumptuárias. Nada existindo sôbre tal matéria, ela, por isso, representa um alto serviço prestado reunindo elementos dispersos de informação e formando um vasto núcleo de consulta para os artistas, literatos e comediógrafos que procuram, na idea de revigorar a tradição, a sentimentalidade e as usanças nacionais, bases firmes para erguer a sua obra artística e literária, aproveitando todo o pitoresco da comédia popular, manifestado com ingénua exuberância, na forma de trajar. Dada a novidade e o interêsse dêste trabalho, é de crer que ao autor-editor não faltarão razões para supor o bom acolhimento que lhe será dispensado.»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


O Trajo da Nazaré




ABÍLIO LEAL DE MATTOS E SILVA
pref. Tomaz Ribas
trads. Valery Forman e Pedro Brito Aranha Risques Pereira

Lisboa, 1970
Editorial Astória
1.ª edição
trilingue (português / inglês / francês)
28 cm x 21,7 cm
86 págs.
profusamente ilustrado a cor
exemplar estimado; miolo limpo
ocasionais carimbos da biblioteca da Sociedade de Língua Portuguesa, carimbo de oferta do editor no ante-rosto
45,00 eur (IVA e portes incluídos)

Texto e desenho são de Mattos e Silva, num documento de grande interesse foclórico e etnográfico, que teve, nos aspectos técnicos, o apoio da costureira Mariana Carepa.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

terça-feira, maio 23, 2017

Um Anjo no Trapézio


MANUEL DA FONSECA
capa de Pilo da Silva

Lisboa, 1968
Prelo Editora
1.ª edição
19,7 cm x 14,3 cm
144 págs.
exemplar estimado; miolo limpo
30,00 eur (IVA e portes incluídos)

Neo-realista militante de partido, o Autor, todo este seu livro de contos tem o sabor literário só proporcionável por um alentejano que vem à cidade observar-nos. Uma passagem que nos ilustra sob esse olhar:
«[...] Vindo do lado da Cordoaria, a rua é estreita como um beco. Alarga à medida que desce. Mas continua sempre estreita, angustiada, exígua. Fora e dentro das casas, nos quartos divididos por tabiques, nos corredores. Até nas janelinhas de sacada, bonitas à sua maneira, mas onde mal se cabe.
É preciso falar, sair das casas, senão sufoca-se. É preciso viver à vista da rua. Contar tudo, em grupos, pelas tabernas ou de longe, de porta para porta, de janela para janela. Desabafar, senão cometem-se crimes. Gritar o que se fez ou anda a pensar fazer. O que se viu ou ouviu. Tudo. Principalmente acontecimentos da vida íntima. Nossa ou alheia.
Velhos como a rua, de pé, no minúsculo degrau que faz de passeio, os barbeiros analisam os factos, criticam. Os diálogos refilam de uma vivacidade crua e mordaz. A ninguém, homem, mulher ou criança, nenhuma palavra é vedada. Obscena, cruel, satírica, odiosa, desde que sirva usa-se de voz corrente e simples. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Cerromaior




MANUEL DA FONSECA
capa de Manuel Ribeiro Pavia

Lisboa, 1943 (Dezembro)
Editorial «Inquérito», Ld.ª
2.ª edição
19,2 cm x 12,5 cm
304 págs.
composto manualmente em Elzevir
encadernação em meia-francesa com elegante gravação a ouro na lombada
aparado e carminado à cabeça
conserva as capas de brochura
exemplar estimado; miolo limpo, restauro marginal na folha das págs. 79-80
VALORIZADO PELA SIGNIFICATIVA DEDICATÓRIA MANUSCRITA DO AUTOR
45,00 eur (IVA e portes incluídos)

Cerromaior (ou seja, Santiago do Cacém, terra natal do poeta e romancista Manuel da Fonseca) mereceu do escritor Almeida Langhans, no ficheiro de leitura da Fundação Calouste Gulbenkian – serviço de aquisições para as Bibliotecas Itinerantes, a seguinte apreciação negativa:
«Valor – Há falta de uniformidade literária. Intenção – Narrativa dos mais mesquinhos costumes provincianos. Não aceitável. Esta obra deve ser excluída por causa do excesso de realismo do descritivo dos impulsos sexuais frequentes como um tema.» Disse.
Capa reproduzida no catálogo do Museu do Neo-Realismo, Ilustração & Literatura Neo-Realista (Vila Franca de Xira, 2008), em tudo idêntica à da edição original, excepto na cor do fundo.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Seara de Vento



MANUEL DA FONSECA
sobrecapa do pintor [Marcelino] Vespeira

Lisboa, 1958
Editora Ulisseia Limitada
1.ª edição
20,1 cm x 13,5 cm
176 págs.
capa impressa a uma cor (preto) e relevo seco, revestida com sobrecapa
exemplar muito estimado, somente a sobrecapa apresenta uns pequenos restauros; miolo limpo
35,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

O Fogo e as Cinzas



MANUEL DA FONSECA
capa de Victor Palla

Lisboa, s.d. [1953]
Editorial Gleba, Lda.
1.ª edição
16,1 cm x 11,2 cm
168 págs.
é o n.º 7 da notável colecção Os Livros das Três Abelhas *, criada e dirigida pelo próprio Palla e por Aurélio Cruz
exemplar estimado; miolo limpo
30,00 eur (IVA e portes incluídos)

Livro onde (ver Mário Sacramento, Há uma Estética Neo-Realista?, Publicações Dom Quixote, Lisboa, 1968) o escritor, logo no conto de abertura, «[...] descreve a decadência de valores humanos que a infiltração do capitalismo trouxe à vila pelas mãos do comboio, e mitifica assim uma idade de oiro preexistente [...].
Quer dizer: o escritor, ao criar a personagem [...] procura apoios nos quadros do passado – do passado histórico e do passado literário –, a fim de estabelecer confrontos, definir antagonismos e desencadear conflitos. [...]»

* Por se tratar da mesma época, e de um rol de títulos que, na sua grande maioria, vieram afrontar a censura vigente, embora especulando não podemos deixar de ver elos de ironia entre o nome escolhido para a colecção e as três abelhas de uma insígnia da Mocidade Portuguesa Feminina. É óbvio que livros como os publicados nessa colecção só poderiam perturbar a branda moral das peúgas passajadas ao serão por mocitas filiadas num destino de procriação, domesticidade assexuada, cabeça baixa na presença dos maridos e denúncia intriguista de vizinhos ditos subversivos.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


A Questão Religiosa


JOSÉ D’ARRIAGA

Porto, 1905
Livraria de Alfredo Barbosa de Pinho Lousada – Editora
1.ª edição
18 cm x 11,7 cm
XIV págs. + 106 págs.
exemplar naturalmente envelhecido, pequenas falhas de papel na lombada; miolo limpo, rasgão no rodapé das págs. VII-X sem afectar o texto
35,00 eur (IVA e portes incluídos)

Do Prefácio do autor, que, em vésperas da queda da monarquia, alerta para o verdadeiro inimigo da inteligência e do progresso:
«[...] Combatendo a reacção religiosa, não queremos attentar contra as crenças dos que a promovem e sustentam, mas trazer a paz e harmonia a todas as seitas por meio da tolerancia, que constitue a base fundamental das sociedades contemporaneas.
Não é este opusculo um grito de guerra, como o são as obras publicadas pelas associações catholicas: é mais um brado a favor da tranquillidade dos povos, tão perturbada n’estes ultimos tempos pela reacção religiosa [...].
A campanha das associações catholicas consiste em guerrear nos paizes catholicos todas as religiões estranhas, oppondo-se ao livre exercicio dos seus cultos, e pedindo aos governos medidas de rigor contra ellas. Pretende manter em nossos dias os antigos fóros e privilegios da igreja catholica, os quaes foram origem do antigo regimen absoluto, e da intolerancia religiosa, que produziu os autos de fé, os carceres da Inquisição e cruzadas expurgatorias, etc.
A mesma reacção religiosa préga o exterminio dos que não pensam com a igreja catholica, dos que não acceitam seus dogmas e preceitos, dos livres pensadores, e de todos os que sahiram do gremio catholico. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


A Inglaterra[,] Portugal e Suas Colonias



JOSÉ D’ARRIAGA

Lisboa, 1882
Typographia do Commercio
1.ª edição
20,2 cm x 14,3 cm
4 págs. + 336 págs.
encadernação em meia-inglesa com gravação a ouro e relevo seco na lombada
pouco aparado, sem capas de brochura
exemplar muito estimado; miolo limpo
assinatura de posse no frontispício
60,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


sexta-feira, maio 19, 2017

Caça em Moçambique



[ANÓNIMO]

s.l. [Lourenço Marques], 1952
s.i. [Litografia Nacional, Porto]
1.ª edição
24 cm x 16,8 cm
72 pág. + 4 desdobráveis em extra-texto
subtítulo: África Oriental Portuguesa
profusamente ilustrado a preto e a cor
exemplar estimado, discreto restauro na lombada; miolo limpo
peça de colecção
60,00 eur (IVA e portes incluídos)

Da portada:
«Monografia apresentada pela Comissão de Caça de Moçambique por ocasião do IV Congresso de Turismo Africano realizado em Lourenço Marques em Setembro de 1952.»
Deve acrescentar-se que se trata de um impressionante documento comprovativo do crime ecológico devido à ligeireza como os países coloniais, sob o regime do lucro cego, trataram sempre a fauna, a flora e os autóctones dos lugares da terra por onde passaram. A saber: exaurir o planeta de todos os seus recursos naturais, tratar os habitantes como criadagem, objecto do prazer do homem branco ou escravos de trabalho.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


A Caça


JACINTO PEREIRA MARTINHO

Lourenço Marques, 1934
Imprensa Nacional de Moçambique
[1.ª edição]
24,6 cm x 16,9 cm
32 págs. + 9 folhas em extra-texto (oito das quais desdobráveis)
subtítulo: Colónia de Moçambique – Primeira Exposição Colonial Portuguesa – Pôrto – 1934
profusamente ilustrado no corpo do texto e em separado
acabamento com dois pontos em arame
exemplar estimado; miolo limpo
30,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Itinerario de uma Viagem á Caça dos Elephantes



DIOCLECIANO FERNANDES DAS NEVES
pref. Bulhão Pato

Lisboa, 1878
Typographia Universal de Thomaz Quintino Antunes, Impressor da Casa Real
1.ª edição
19,1 cm x 13 cm
4 págs. + 288 págs.
encadernação modesta em meia-inglesa com gravação a ouro na lombada
aparado, sem capas de brochura
exemplar estimado; miolo limpo
assinaturas de posse na primeira folha-de-guarda e no frontispício
140,00 eur (IVA e portes incluídos)

Descrição de uma campanha de caça levada a cabo em Moçambique. Nascido na Figueira da Foz em 1829, Diocleciano das Neves foi por algum tempo director da Alfândega em Lourenço Marques. E neste lugar africano, como tantas outras figuras coloniais, forjou a oportunidade de explorar os autóctones do sertão, como predador dos elefantes, dedicando-se ao comércio do marfim. Em África acabará por falecer em 1883.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Da Caça


ANTONIO BOMFIM, dr.

Lisboa, 1946
Livraria Clássica Editora
1.ª edição
19 cm x 12,5 cm
136 págs.
subtítulo: Palestras Cinegéticas
ilustrado nos cabeçalhos de capítulo
exemplar muito estimado; miolo limpo
40,00 eur (IVA e portes incluídos)

Trata-se de uma extensa reflexão temática acerca de um outro livro então publicado, O Problema Venatório Português (Estudo e Crítica), de José Arantes de Freitas Cruz.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Regime Jurídico da Caça


JOSÉ ALFREDO SOARES MANSO-PRETO

s.l. [Lisboa], 1966
Boletim do Ministério da Justiça (separata)
[1.ª edição]
23,4 cm x 17,9 cm
240 págs.
subtítulo: Parecer da Câmara Corporativa n.º 4/IX – Projecto de Proposta de Lei n.º 2/IX e Projecto de Lei n.º 2/IX
exemplar como novo
juntou-se cartão de visita manuscrito pelo Autor
27,00 eur (IVA e portes incluídos)

Soares Manso-Preto (1924-1993), jurista e parlamentar do regime, na altura a exercer as funções de Procurador Geral da República – tendo chegado a ser já nos anos noventa Presidente do Supremo Tribunal de Justiça, cessando funções por morte –, foi autor de múltiplos pareceres legislativos, entre os quais sublinhe-se, durante a “primavera” marcelista, as suas Anotações à Lei da Imprensa, em 1972.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Guia do Alveitar ou Vade-Mecum do Veterinario


J. F. DE MACEDO PINTO
V. J. D. MACEDO PINTO

Coimbra, 1901
Imprensa da Universidade
4.ª edição («melhorada, revista e augmentada»)
22,8 cm x 14,8 cm
VIII págs. + 224 págs.
subtítulo: Memorial Pathologico e Therapeutico e Formulario Pharmacologico
exemplar manuseado mas aceitável, restauros na capa; miolo limpo
assinaturas de posse na capa e no frontispício
27,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Diccionario de Hippiatria Commum para Conhecimento dos Defeitos e Doenças Visiveis no Cavallo


ANTONIO LOUREIRO DE MIRANDA, coord.

Lisboa, 1858
Imprensa Nacional
1.ª edição
23,2 cm x 14,6 cm
2 págs. + XII págs. + 168 págs.
impresso sobre papel superior
exemplar estimado, falhas de papel na lombada; miolo limpo, parcialmente por abrir
carimbo de posse no frontispício
PEÇA DE COLECÇÃO
200,00 eur (IVA e portes incluídos)

Importante manual veterinário.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Diccionario de Veterinaria Homœopathica ou Guia Homœopathica para o Tratamento das Doenças dos Animaes Domesticos


J. [JULES] PROST-LACUZON
H. BERGER
[trad. anónimo]

Lisboa, 1878
Typographia Universal de Thomaz Quintino Antunes, Impressor da Casa Real
1.ª edição
21 cm x 13,5 cm
360 págs.
encadernação recente de amador em tela e papel de fantasia, com rótulo em pele gravado a ouro na lombada
não aparado, conserva apenas a capa posterior da brochura
exemplar estimado; miolo limpo
80,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


O Vosso Cão



aa.vv.
introd. Charles Cruft
trad. Maria Frederica Simas Alves de Azevedo

Lisboa, s.d. [1947, seg. BNP; no entanto, a grafia de «sôbre» e «êle» apontam para uma data anterior ao acordo ortográfico de 1945]
João Machado da Conceição & Cia., Ltda.
s.i.
18 cm x 12,2 cm
104 págs.
subtítulo: Tudo o que deve saber sôbre êle
profusamente ilustrado no corpo do texto
exemplar manuseado mas aceitável; miolo limpo
ostenta um curioso breve apontamento manuscrito no verso da capa, que diz: «Para dar brilho ao pelo dos cães é bom oleo de linhaça»
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Idóneo guia «sobre questões caninas», no intuito de os donos se encontrarem à altura de tratar os seus animais sem terem que recorrer aos serviços de veterinário.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

quinta-feira, maio 18, 2017

Filologia Barranquenha


J. LEITE DE VASCONCELLOS
nota de Gaspar Machado

Lisboa, 1955
Imprensa Nacional
22,6 cm x 16,7 cm
XVIII págs. + 218 págs.
subtítulo: Apontamentos para o seu estudo
exemplar estimado; miolo limpo
50,00 eur (IVA e portes incluídos)

Da nota editorial de Gaspar Machado:
«Representa este volume o último trabalho preparado directamente pelo saudoso professor, que o deixara já entregue ao prelo após uma primeira revisão. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089